barb.jpgGeorges Barboteu foi o trompista líder na França e escreveu estudos e outras composições para a trompa que são a base do repertório e têm sido usados ​​como peças de exame no Conservatório de Paris. Ele era "amado e apreciado por seu carisma, seu bom humor inabalável e sua imensa cordialidade".

Barboteu nasceu em Argel em 1924. Sua família era originária da Catalunha, mas vivia na Argélia há gerações. Seu pai, Joseph Barboteu, era trompista profissional e professor do Conservatoire d'Algiers. Georges começou a trompa com seu pai aos nove anos e aos doze ganhou um prêmio de premier no conservatório. Aos 14 anos ele jogou ao lado de seu pai no Grand Casino em Biarritz, França.

Em 1939, Georges fez um teste para o Conservatório de Paris, mas a Segunda Guerra Mundial estourou e os dois Barboteus voltaram para a Argélia. Georges tocou ao lado de seu pai na orquestra da Rádio Argel, então depois de três anos seu pai passou a posição solo para seu filho. Nessa época, Georges também estudou harmonia e contraponto, aprendeu a tocar contrabaixo e escreveu suas primeiras composições.

Após a guerra, em 1948, Barboteu retornou à França e ingressou na Orchester National (Radio France) sob o comando de Charles Munch. Em 1950 foi admitido no Conservatório de Paris e em 1951 ganhou o primeiro prémio, logo a seguir ganhando o primeiro prémio no Concurso Internacional de Genebra.

Barboteu tocou na Orchester del Société des Concerts du Conservatoire (a futura Orchester de Paris), trompa solo com a Opera Comique e em 1969 com a Orchester de Paris. Foi professor de trompa no Conservatório de Paris de 1969 a 1989 e fundador do Quintette Ars Nova.

Barboteu foi membro do IHS Advisory Council de 1976 a 1979 e apareceu como artista destacado em muitos simpósios. Ele foi eleito membro honorário em 1998.

Barboteu era um músico consumado. Ele se envolveu em todos os estilos musicais, do barroco ao contemporâneo, incluindo jazz (gravando com Duke Ellington). Ele era um mestre em inspirar jazz e arranjadores e compositores teatrais para incluir trompas em suas orquestrações, de Franck Pourcel a Claude Bolling.

Suas gravações incluem uma das primeiras gravações de Schumann Konzertstück, que foi relançado em 1994 com outras apresentações solo em A magia do Trompa francês.

Uma homenagem a Barboteu por seu amigo e colega Daniel Borgue aparece em francês e inglês na edição de fevereiro de 2007 da The Horn Call.

Este site usa cookies para melhorar a experiência do usuário, incluindo o status de login. Ao utilizar o site, você está aceitando o uso de cookies.
Ok